TERÇA A DOMINGO
10H // 13H — 14H // 18H
ENCERRA SEGUNDA
ENTRADA GERAL: 2€
Domingo e Feriados 10h-13h: entrada gratuita
SUBSCREVER NEWSLETTER
subscrição bem sucedida
Todos os direitos reservados
© AMJP . 2016  /  ficha técnica
Exposições // PASSADO

 

Exposição:
CHAMA: Júlio Pomar, Rita Ferreira e Sara Bichão

Artistas:
Júlio Pomar / Rita Ferreira / Sara Bichão

Curadoria:
Sara Antónia Matos

15 de Fevereiro a 29 de Abril de 2018

Inauguração: 
15 de Fevereiro de 2018, às 18h

 

A exposição CHAMA com curadoria de Sara Antónia Matos, com obras de Júlio Pomar, Rita Ferreira e Sara Bichão, no Atelier-Museu Júlio Pomar, dá seguimento ao programa de exposições do Atelier-Museu que procura cruzar a obra de Júlio Pomar com a de outros artistas, de modo a estabelecer novas relações entre a obra do pintor e a contemporaneidade.  

Mais uma vez, esta exposição é pensada, desde a sua génese, como uma intervenção específica no espaço do Atelier-Museu, onde Júlio Pomar e duas artistas jovens – Rita Ferreira e Sara Bichão – expõem os seus trabalhos,

Tratando-se de artistas que não dispõem de materiais e textos de fundamentação sobre as suas obras, considerou-se pertinente desenvolver uma primeira publicação individual, sobre cada uma, de modo a dar a conhecer os seus trabalhos anteriores e permitir uma compreensão mais alargada dos mesmos. Deste modo, o Atelier-Museu Júlio Pomar leva a cabo mais uma das funções com que se tem comprometido, isto é, contribuir para a divulgação e o desenvolvimento da arte contemporânea e dos seus autores.


Sobre os artistas:

JÚLIO POMAR
Nasceu em 1926 em Lisboa. Frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e as Escolas de Belas-Artes de Lisboa e Porto, tendo participado em 1942 numa primeira mostra de grupo, em Lisboa, e realizado a primeira exposição individual em 1947, no Porto, onde apresentou desenhos. Nesses anos a sua oposição ao regime de Salazar acarreta-lhe uma estada de quatro meses na prisão, a apreensão de um dos seus quadros pela polícia política e a ocultação dos frescos com mais de 100 m2, realizados para o Cinema Batalha no Porto. Permanece em Portugal até 1963, ano em que se instala em Paris. Actualmente vive e trabalha em Paris e Lisboa. No início da década de noventa, uma estada no Alto Xingú, na Amazónia, está na origem das exposições «Los Indios» (Galeria 111, ARCO, Madrid) e «Les Indiens» (Galerie Georges Lavrov, Paris), em 1990, a que se segue «Pomar/Brasil», antologia organizada também pelo CAM e apresentada em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Lisboa. 

RITA FERREIRA 
Rita Ferreira (1991), vive e trabalha em Lisboa. É licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Venceu, em 2016, a Bolsa Jovens Criadores do Centro Nacional da Cultura. Em 2017 realizou a primeira exposição individual na Galeria Diferença em Lisboa intitulada “Boca Seca Coluna Húmida”. Entre as exposições colectivas contam-se: “A coisa está preta”, Bregas, Lisboa (2017); “Primeira Página”, Galeria Módulo, Lisboa; “O Papel do desenho. O mundo é a minha imaginação”, Galeria Angeles Baños, Badajoz; FUSO- Anual de Video de Arte Internacional de Lisboa, Museu da Electricidade, Lisboa; Summer Calling, Sala do Veado – MNHNC, Lisboa em 2013; Piquete, Residências Coop, Lisboa e GAB-A, FBAUL, Lisboa em 2012.

SARA BICHÃO
Sara Bichão (1986), vive e trabalha em Lisboa. Estudou Artes Visuais na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Integrou várias residências artísticas como a Residency Unlimited, Nova Iorque (2012), PIRA ADM, Cidade do México (2016), Artistes en Résidence, Clermont-Ferrand (2017). Em 2008 ganhou o prémio BPI/FBAUL, e foi finalista do concurso Jovens Pintores – Fidelidade Mundial (menção honrosa) e do Anteciparte’09, em 2009. Expõe regularmente desde 2009, destacando-se as exposições na Barbara Davis Gallery, Houston; Galeria Silvrestre, Madrid; Rooster Gallery, Nova Iorque; Artopia Gallery, Milão; Arevalo Gallery, Miami; e em espaços públicos como o Centro Cultural de Belgrado, o MAAT, a Fundação Portuguesa das Comunicações, e a Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. O seu trabalho está representado em várias coleções públicas: Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação EDP, Fidelidade Mundial, MidFirst Bank Arizona, entre outras.

  voltar